A prática do Slackline começou nos anos 80 no parque Yosemite Valley, na Califórnia, local onde muitos alpinistas se reuniam para a prática de escalada.

Entre uma escalada e outra os alpinistas se divertiam, aperfeiçoando técnicas de equilíbrio e manobras sobre as correntes do estacionamento do parque.

Logo as correntes foram trocadas por fitas planas e os praticantes passaram a amarra-lás nas árvores e a treinar a travessia de uma árvore a outra.

Surgia então o esporte que hoje é conhecido Slackline (corda bamba) e que rapidamente se espalhou conquistando adeptos no mundo todo.

No Brasil não foi diferente, o esporte chegou aqui com força total e foi logo pegando um jeitão brasileiro, sendo praticado nas principais praias e parques do país, principalmente no Rio de Janeiro.

A cidade adotou rapidamente o esporte que hoje já faz parte de sua cultura e que por suas paisagens exuberantes tornou-se o palco perfeito para a realização do esporte no país.

Hoje o slackline tem adeptos em quase todos os estados do Brasil, alguns campeonatos já foram realizados por aqui e o número de apaixonados cresce a cada dia mais.

Em Juiz de Fora, o esporte está crescendo aos poucos, a galera tem se reunido em algumas praças da cidade e também no campus da UFJF.

Este blog tem o objetivo de fazer o número de adeptos em JF crescer a cada dia, em breve faremos um post sobre os melhores picos e notícias sobre a galera que está praticando por aqui.

Produzimos esse ebook e espero que vocês gostem. É só clicar no link abaixo e preencher o formulário para receber o Guia completo com tudo que precisa saber sobre slackline.

Confira e depois comente aí o que achou.

callguia4

Viva Slack \o/ sua vida em equilíbrio!

One thought on “A história do Slackline .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

If you agree to these terms, please click here.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: